21 de abril é Dia Estadual de Lutas

postado em: Notícias | 0

CUT/MG, sindicatos CUTistas e movimentos sociais vão a Ouro Preto para apresentar as pautas de trabalhadores mineiros

A Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG), sindicatos, federações e confederações CUTistas e movimentos sociais vão se unir em Ouro Preto, no dia 21 de abril, para o Dia Estadual de Lutas. A mobilização, para apresentar as pautas da classe trabalhadora e cobrar o compromisso assinado pelo governador Fernando Pimentel durante a campanha eleitoral, acontecerá na cidade histórica antes, durante e depois da 64ª Cerimônia de entrega da Medalha da Inconfidência, evento do governo do Estado. A CUT/MG e sindicatos estão organizando caravanas para Ouro Preto.
Participe!
As pautas principais são
Pagamento Piso Salarial Profissional Nacional e reconstrução da carreira na educação
Redução para 30 horas da jornada de trabalho dos profissionais da saúde, sem redução dos salários
Reforma agrária
Primarização dos trabalhadores da Cemig
Carta-compromisso assinada pelo governador Fernando Pimentel
1) Fim da política de criminalização das lutas sociais;
2) Investimento nas áreas de saúde, educação, mobilidade urbana, habitação, agricultura familiar, segurança pública e saneamento básico, de modo a garantir à população serviços públicos de qualidade, sem modelo de privatização;
3) Reversão do processo de privatização da Cemig e da Copasa;
4) Instituição do piso salarial regional;
5) Defesa das reservas naturais do estado, com o estabelecimento de rigorosa fiscalização na área da mineração;
6) Discussão com os trabalhadores sobre a política de desenvolvimento regional;
7) Reconhecimento do direito de negociação coletiva no setor público estadual, concurso público e fim da política de terceirização;
8) Apoio ao plebiscito da constituinte exclusiva pela reforma do sistema político;
9) Aplicação da Lei 11.738/08 do Piso Salarial Profissional Nacional para os profissionais do magistério da rede estadual;
10) Aplicação do mínimo constitucional nas áreas de saúde e educação e valorização das universidades estaduais;
11) Envolver os trabalhadores metroferroviários na discussão e definição da implantação da gestão do sistema do metrô de Belo Horizonte e região metropolitana, sem modelo de privatização;
12) Realização de reforma agrária, apoio à agricultura familiar, aos assentamentos existentes e pelo fim do trabalho escravo;
13) Discussão das plataformas de governo com os trabalhadores e movimentos sociais.

Fonte CUT/MG

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × um =