Situação do setor metalúrgico em Minas é tema de audiência pública

postado em: Notícias | 0

A Comissão do Trabalho, da Previdência e da Assistência Social realizará audiência pública no dia 7 de junho, próxima terça-feira, às 14 horas, no Teatro da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), para debater a atual situação do setor metalúrgico no Estado. A atividade, que foi requerida pelo presidente da Comissão, Celinho do Sinttrocel (PCdoB), contará com a presença da presidenta da CUT/MG, Beatriz Cerqueira, dirigentes e militantes dos movimentos sindical, sociais e populares.

O debate do emprego na indústria é de toda a sociedade brasileira, não apenas de trabalhadores e trabalhadoras do setor. Uma indústria que já chegou a ser 35% do PIB, hoje está abaixo dos 10% e isso é muito grave. Por isso, a luta dos metalúrgicos e das metalúrgicas é a luta do povo brasileiro, porque é a indústria em qualquer lugar do mundo que gera riqueza para que o país possa investir em saúde, em educação, e financiar as políticas públicas.

O desemprego no setor metalúrgico, atualmente, chegou a um nível alarmante. De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego (Caged/MTE), no ano de 2015 foram eliminados 34.174 mil postos de trabalho no ramo metalúrgico mineiro, resultado da diferença entre 67.816 admissões e 101.990 desligamentos.

Os setores que lideraram as perdas de emprego foram automotivo (montadoras+autopeças+encarroçadoras) com cortes de 13.531 postos de trabalho, metalurgia básica, -7.165 postos de trabalho, e o eletroeletrônico, com perda de 4.641 postos de trabalho.

Em 2012 eram 284 mil metalúrgicos em Minas Gerais, segundo levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Nos anos de 2013, 2014 e 2015, 53 mil postos de trabalho caíram no Estado. E não estão computados os números referentes ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE), que, para garantir estabilidade por tempo determinado, acarreta em reduções de jornada de trabalho e de salários.

Neste ano, em todo o país, segundo o Caged/MTE, houve queda de 4.527 vagas no setor metalúrgico em abril – de janeiro a abril, foram 17.502 e, de maio de 2015 a abril de 2016, as perdas acumuladas são 82.688, ou 11,35%. No setor de mecânica, em todo Brasil, as perdas em abril foram de 4.674 vagas; de janeiro a abril, 14.696; e, de maio de 2015 a abril de 2016, 75.622 (12%) – na indústria de transformação, foram 15.982, 85.886 e 663.263, respectivamente, (8,09%).

De acordo com os dados do Caged/MTE, no ano de 2015 foram eliminados 1,5 milhões de empregos formais no Brasil. No Estado de Minas Gerais, no mesmo período, foram eliminados 196 mil postos de trabalho, que representa uma perda de 3,87% em relação ao estoque de empregos formais do ano anterior. Alguns fatores contribuíram para a queda do nível de atividade econômica no ano de 2015 e consequentemente impactaram negativamente o mercado de trabalho, tais como, a crise internacional, a desaceleração da economia chinesa que tem impactado no preço internacional dos commodities, juntamente com as incertezas no campo político, contribuíram para o quadro recessivo da produção e emprego no ano de 2015.

Fonte: CUTMG

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + dezenove =