Previdência: cresce mobilização contra a reforma do golpista Temer

postado em: Notícias | 0

Depois das manifestações que marcaram o Dia Internacional da Mulher em todo o país na última quarta-feira (8), com protestos contra mudanças na aposentadoria, o movimento sindical e as entidades do movimento social intensificam a mobilização para o dia de protestos e paralisação na próxima quarta, 15 de março.

Os sindicatos e federações dos metalúrgicos da CUT de todas as regiões, que já estão se mobilizando contra a reforma desde o final de janeiro, intensificam suas ações para garantir participação expressiva da categoria nas manifestações da quarta-feira.

Além de assembleias e atos nas portas de fábrica e a presença em manifestações populares, as entidades estão recolhendo adesões ao abaixo-assinado contra a reforma preparado pelo Macrossetor da Indústria da CUT (MSI), que também reúne entidades ligadas aos trabalhadores na construção, no vestuário, na alimentação e no ramo químico.

O secretário geral em exercício da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT), Loricardo de Oliveira, informa que o abaixo-assinado será entregue na próxima terça (14), em Brasília, ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ). “Com este gesto, vamos reafirmar nosso descontentamento contra esse verdadeiro desmonte das aposentadorias que os golpistas querem nos impor”, destaca.

Campanha
A mobilização dos metalúrgicos cutistas contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287 começou a ser organizada em plenária sobre a reforma realizada pela Confederação nos dias 24 e 25 de janeiro (leia aqui), que contou com a participação de especialistas e sindicalistas de todo o Brasil.

Na ocasião, foi lançada a campanha publicitária “Reforma da Previdência: reaja ou sua aposentadoria acaba aqui”, com materiais para todas as mídias. “A campanha teve a adesão de todas as entidades filiadas à CNM/CUT e também de outras categorias e CUTs estaduais”, recorda Paulo Cayres, presidente da Confederação.

Assim, de norte a sul do Brasil, os materiais da campanha foram disseminados. Em várias regiões, foram veiculados outdoors, busdoors (cartazes em vidros de ônibus), cartazes, folhetos, propaganda de rádios, anúncios em jornais, além de divulgação nas redes sociais.

Fonte: CNMCUT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis − quatro =