EMPRESAS CÚMPLICES DA DITADURA MILITAR: RESULTADO DO ESTUDO SERÁ APRESENTADO DIA 14 DE JUNHO

postado em: Notícias | 0

Repressão a movimentos grevistas, ameaças a trabalhadores, policiais infiltrados em fábricas: estas são algumas práticas de grandes empresas que colaboraram com a ditadura militar entre 1964 e 1985.

O resultado do relatório das pesquisas sobre possíveis violações de direitos humanos cometidas pela Mannesmann, Belgo-Mineira, e Embraer, durante a Ditadura Militar, será apresentado na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de BH/Contagem e região (Sindimetal), dia 14 de junho de 2024, a partir das 13h00.

‘A atividade faz parte do calendário de comemorações pelos 90 anos do Sindimetal’, disse Geraldo Valgas, presidente do Sindicato.

O evento reunirá as pesquisadoras responsáveis Tayara Lemos, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Marina Camisasca, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Elaine Bortone, pós-doutoranda em História na Universidade Federal Fluminense (UFF), além das vítimas, representantes de sindicatos e órgãos públicos para discutir e apresentar as possíveis violações de direitos humanos cometidas por empresas.

Em comum, segundo as pesquisas, Mannesmann (atual Vallourec), Belgo-Mineira (incorporada pela ArcelorMittal), e Embraer têm o fato de terem colaborado com os governos militares para reprimir movimentos grevistas e perseguir trabalhadores filiados a sindicatos. “A repressão à classe trabalhadora não tem outro objetivo senão reprimir qualquer tentativa de modificar o status quo”, explicou a pesquisadora Tayara Lemos.

Venha debater e contribuir para a compreensão dos impactos e das consequências da Ditadura Militar nas relações trabalhistas no Brasil!

FAÇA SUA INSCRIÇÃO AQUI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − oito =