Dia Nacinal da Consciência Negra

postado em: Notícias | 0

“O Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, foi instituído oficialmente pela lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. A data faz referência à morte de Zumbi, o então líder do Quilombo dos Palmares – situado entre os estados de Alagoas e Pernambuco, na região Nordeste do Brasil.Zumbi foi morto em 1695, na referida data, por bandeirantes liderados por Domingos Jorge Velho.A data de sua morte, descoberta por historiadores no início da década de 1970, motivou membros do Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial, em um congresso realizado em 1978, no contexto da Ditadura Militar Brasileira, a elegerem a figura de Zumbi como um símbolo da luta e resistência dos negros escravizados no Brasil, bem como da luta por direitos que seus descendentes reivindicam.Com a redemocratização do Brasil e a promulgação da Constituição de 1988, vários segmentos da sociedade, inclusive os movimentos sociais, como o Movimento Negro, obtiveram maior espaço no âmbito das discussões e decisões políticas. A lei de preconceito de raça ou cor (nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989) e leis como a de cotas raciais, no âmbito da educação superior, e, especificamente na área da educação básica, a lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que instituiu a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afro-brasileira, são exemplos de legislações que preveem certa reparação aos danos sofridos pela população negra na história do Brasil.” Fonte: Brasil Escola

Então façamos uma reflexão sobre esta data “A luta dos trabalhadores, o sindicalismo e a questão racial”

Neste dia 20 de Novembro é uma data muito pertinente, para que nós possamos fazer uma ampla reflexão, muitas ações foram desenvolvidas para combater o racismo e a desigualdade, criaram se leis que timidamente são paliativas no combate a desigualdade para reparar os danos causados aos negros de nosso país ao longo desses anos cruciais vividospor mais de 51% da população negra brasileira. Sobre a desigualdade que ainda impera em nosso país, o racismo também ainda vigora latente em nossa sociedade, pois difunde seu preconceito racial, que ainda veem o negro como sub misso, ao ter que ser tratado com inferioridade.

Muito se fez, mas, ainda tem muito que se fazer, varias barreiras e preconceitos teremos que derrubar nesta árdua caminhada. No campo do trabalho ainda há grande distancia no que tange valorização dos trabalhadores negros (as),os salários são muito inferiores ao dos brancos, mesmo que tenham desempenhado as mesmas funções laborativa e talvez até com mais qualidade, isso referindo se aos homens, porque na questão da mulher, a desigualdade por ser negra, ai é que piora.

Na categoriametalúrgica de BH/Contagem e Regiãoe em todo o estado de Minas gerais e no Brasil,precisamos ainda inserir nos acordos coletivos de trabalho, cláusulas que garantam melhor valorização dos trabalhadores (as) negros. Referente adesigualdade salarial, promoção funcional e/ou profissional, a igualdade de oportunidades, nas cláusulas sociais que condicionam qualidade de vida no local de trabalho e fora do mesmo. Em se tratando de trabalho, os negros sãoos que mais desempenham funções em condições subumanas. Devemos ainda, combater veementemente os assassinatos e genocídios dos nossos jovens negros, ou chamados de auto de resistência, mecanismo usado pela policia militar como subterfugio para exterminar os jovensnegros deste país.Devido à ausência de oportunidades e ausência de políticas públicas emancipatórias, de responsabilidade do estado pelo zelo do bem estar social, estes jovens vivem à mercê da vulnerabilidade,da criminalidade,prato cheio para os controladores do narcotráfico, principalmente aqueles que vivem nas periferias, nos aglomerados e vilas, locais em que vivem a grande maioria dos negros deste país, devido às condições de oportunidades que lhes são negadas, para ter um lar decente e com dignidade, com mais segurança, e possuidor de saneamento básico, mobilidade urbana, educação de qualidade, lazer e cultura. Por tanto devemos continuar lutando e nos organizando em todos os sentidos para acabarmos de vez com essas desigualdades e extirpar de vez, o preconceito a discriminação e o racismo neste país.

Parafraseando o grande estudioso, Carlos Moore – escritor, pesquisador e cientista social dedicado ao estudo da história e da cultura negra e Bob Marley. “O racismo é sistêmico”
“Liberte-se da escravidão mental, ninguém além de nós pode libertar nossas mentes”

Gilberto André -Assessor Político do Sindimetal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × um =