Povo toma ruas do centro do Rio em defesa das estatais

postado em: Notícias | 0

Sobrou chuva, mas não faltou luta. Na capital carioca, desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (3), trabalhadores do setor público receberam movimentos sociais de todo o país para um dia de lutas em defesa das empresas brasileiras e contra a política de entrega das riquezas nacionais pelas mãos do ilegítimo Michel Temer (PMDB).

As agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômico amanheceram fechadas no centro e as ruas foram recebendo batuques, bandeiras e cidadãos e cidadãs como a atriz Bete Mendes que ressaltou a importância de resistir contra o golpe liderado por Temer.
No dia em que a Petrobrás completa 64 anos, o Presidente Nacional da CUT, Vagner Freitas, ressaltou o impacto que o sucateamento das estatais provoca na economia.

“Esse golpe foi dado para tirar a soberania nacional, para o agradar aos financiadores do golpes, as empresas nacionais, para que o Brasil volte a ser só exportador de matéria prima e importador de produto pronto. Não podemos aceitar isso, que acabem com conteúdo local, os estaleiros estão parados. Não importam se é de esquerda ou direita, se você é brasileiro e sequer que pré-sal financie educação, tem que ir para a porta da Petrobrás”, disse.

A campanha pretende colher assinaturas para um projeto de lei de iniciativa popular que se contrapõe à venda de patrimônios públicos. Se aprovada, a medida fará com que aconteça um plebiscito (consulta popular) antes de qualquer privatização.

Presidente da CUT-RJ, Marcelo Rodrigues, relata que a privatização significa também o fim das políticas sociais de inclusão social.

“Uma Caixa transformada em ‘S/A’ não vai se preocupar com Minha Casa Minha Vida, financiamento habitacional. A Caixa tinha a missão de atender a população em todo o país e isso gerou muito lucro, provando que dá para ganhar e atender a população ao mesmo tempo. E no momento em que pedimos mais funcionários e mais recursos para atender e investir no país, o Temer vem com uma proposta de privatização”, criticou.

Foto: Francisco Proner
Fonte: CUT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 17 =