Caravana de Lula em Minas leva milhares à Praça da Estação

postado em: Notícias | 0

Com uma recepção calorosa de milhares de pessoas, que, emocionadas, lotaram a Praça da Estação, o ex-presidente Lula encerrou a etapa de Minas Gerais da Caravana Lula Pelo Brasil na noite de segunda-feira (30), em Belo Horizonte. Lula e a ex-presidente Dilma Rousseff também foram recepcionados pelos movimentos sindical, sociais, populares e estudantis e lideranças políticas no ato público, que teve a participação de artistas como Flávio Renegado, o bloco Volta Belchior e Aline Calixto. Lula e Dilma também receberam um trabalho feito por 150 bordadeiras do grupo Linhas do Horizonte, da capital mineira.

Os dois foram homenageados pela presidenta da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG) e coordenadora geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE/MG), Beatriz Cerqueira, que enfatizou a misoginia do golpe e entregou ao ex-presidente uma arte em papel que representa um power point com as realizações de seus governos, uma crítica aos ataques sofridos por Lula nas acusações da Operação Lava Jato. Beatriz Cerqueira também convocou todas e todos a participar, no dia 10 de novembro, do Dia Nacional de Paralisação contra as reformas trabalhista e da Previdência do governo golpista e ilegítimo de Michel Temer.

A etapa de Minas Gerais passou, durante oito dias, por 21 cidades do Estado. Nos braços do povo, o ex-presidente espalhou esperança e recebeu o carinho dos mineiros, por onde passou. A Caravana Lula pelo Brasil começou no dia 23 de outubro, em Ipatinga, cidade reconhecida pela história da luta sindical e fundação do Partido dos Trabalhadores, e terminou na segunda-feira (30), em Belo Horizonte.

Durante uma semana, Lula passou, além de Ipatinga e BH, por Teófilo Otoni, Governador Valadares, Periquito – no acampamento Alegria, do viveiro de mudas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Catuji, Padre Paraíso, Ponto dos Volantes, Itaobim, Itinga, Araçuaí, Coronel Murta, Salinas, Rubelita, Francisco Sá, Bocaiúva, Olhos D’Água, Couto de Magalhães, Diamantina e Cordisburgo.

“Eu aprendi a não desistir. Sou calcado na perseverança. E é com essa força que nós vamos virar o jogo e trazer a democracia de volta. Espero que os mineiros estejam na frente de batalha pra gente vencer essa briga”, disse o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao encerrar a etapa mineira da caravana Lula Pelo Brasil. Uma multidão se aglomerou para ouvir o ex-presidente em ato na Praça da Estação, em Belo Horizonte.

Durante uma semana, o ex-presidente percorreu 20 cidades e visitou regiões como os vales do Aço, Jequitinhonha, Mucuri e Rio Doce. Da saída de Ipatinga até a chegada à capital mineira, a caravana Lula Por Minas Gerais testemunhou as ameaças e os retrocessos implicados pelo golpe nas conquistas sociais dos governos Lula e Dilma. A presidenta eleita também acompanhou a caravana, marcando posição no front de luta pela retomada da democracia.

Depois de passar por nove estados nordestinos e por 20 cidades mineiras, a caravana Lula Pelo Brasil tem como próximos destinos o Sul e o Norte do país. As datas ainda não foram definidas. Mas a ideia de discutir um Brasil possível, segundo Lula, segue sendo o mote das caravanas.

A ideia de um referendo revogatório, proposto por Lula, ganhou força durante a viagem. “Nós vamos ganhar as eleições e vamos convocar um referendo para revogar todas as baderneiras que fizeram nesse país. Eles destruíram a legislação trabalhista, agora querem jogar a culpa na previdência. Saibam que o Brasil vai ser o país que a gente quiser e não o que o Temer quiser”, disse o ex-presidente.

Em Minas, Lula reencontrou fragmentos da História brasileira. Na cidade de Diamantina, o ex-presidente fez questão de visitar o Museu Casa JK, onde Juscelino Kubitschek viveu os primeiros anos de sua vida. JK também foi lembrado durante o discurso de encerramento da caravana, quando Lula relembrou a perseguição sofrida pelo ex-presidente.

“Achincalharam o JK e até hoje não provaram que o apartamento era dele. Demonizaram Getúlio até que ele não suportasse, repetiram a perseguição com Jango. Pois eu digo que sou mais paciente que o Getúlio e o Jango, e talvez seja tão paciente quanto o JK”, refletiu Lula. “Tentaram tirar ele três vezes e ele sempre humilde perdoava”, acrescentou Lula, ao fazer um paralelo com a situação a qual setores do judiciário tem submetido sua eventual candidatura.

Na terra da Inconfidência, Lula também relembrou Tiradentes. “Eles mataram a carne mas não mataram os ideais da Independência. Como não podem me enforcar, eles decidiram inventar uma mentira. Mas o Lula é uma ideia que está na cabeça de todos vocês. Todos vocês são milhões de lulinhas que querem mudar esse país”, destacou.

Dia Nacional de Paralisação

Representando os movimentos sociais, o movimento sindical e a Frente Brasil Popular, Beatriz Cerqueira, inicialmente, se dirigiu à ex-presidenta Dilma Rousseff. “Boa noite a todos nós que desde 2015 não saímos das ruas na luta pela democracia e contra o golpe. Nossa luta não começou ontem. Você nos representa, você nos ensinou a enfrentar os golpistas, os corruptos, machismo, a misoginia de cabeça erguida. Se estivéssemos em um país sério, com um Judiciário sério, este golpe de Estado estaria anulado neste momento. Como o Judiciário está a serviço do golpe, nós estamos a serviço da democracia. Quero dizer, em nome das mulheres das mulheres mineiras, que você nos representa. Você nos encheu de orgulho e de esperança, você nos ensino que nós temos o direito de sermos o que nós quisermos. Por isso que nós rasgamos as páginas amarelas da revista ‘Veja’, quando disseram que a mulher brasileira era bela, recatada e do lar. Nós mulheres somos o que queremos ser e isso você escreveu na nossa história. Por isso, muito obrigado à presidenta”, disse a presidenta da CUT/MG.

Beatriz Cerqueira se dirigiu, em seguida, ao ex-presidente Lula. “Minha segunda tarefa neste grupo é entregar ao presidente Lula o nosso power point. Sabe que Minas Gerais adora um power point. Nós queremos mostrar tudo pelo qual você é culpado. É por você fazer com que o Estado brasileiro fosse para mais pessoas e não apenas para um grupo privilegiado é que hoje tentam te criminalizar. A sua criminalização Lula, é minha. Mexeu com você, mexeu comigo, mexeu com Minas Gerais. Minas Gerais é isso aqui: não tem vergonha da cor da camisa que a gente veste, não tem vergonha da bandeira, não tem vergonha da luta que a gente faz. É por isso que aqui em Minas Gerais a gente derrota o neoliberalismo quantas vezes forem necessárias, pelo tempo que for necessário. Eu que quero reafirmar o nosso compromisso: o golpe de Estado foi contra cada um de nós. Então, como o senhor disse em Diamantina, a gente é lembrado pela luta que a gente faz. E nós continuaremos de cabeça erguida fazendo a luta necessária, pelo tempo que for necessário, até que a gente interrompa este golpe”, afirmou.

Para a presidenta da CUT/MG, a passagem de Lula por Minas foi a maior caravana da história do Brasil. Ela encerrou sua participação do ato com uma convocação para o Dia Nacional de Paralisação, em 10 de novembro. “Olha Lula, eu sempre respondo às provocações, li por aí que alguém escreveu que esta caravana é um fracasso. Mais dois fracassos como este e você está eleito como presidente da República. Não andaram pelo asfalto e pela terra como nós andamos, não olharam na cara do trabalhador rural que andou 10 km para te ouvir, não viram o povo do Jequitinhonha debaixo de sol e cheio de esperança. O que a gente viu foi isto. O que vimos nesta caravana foi pessoas simples, comuns querendo chegar perto deste homem e desta mulher. Foi a maior caravana deste país. Como vamos continuar nas ruas, 10 de novembro é dia de parar o país contra as reformas trabalhista e da Previdência. O que está em jogo é nossa vida, a vida de nossos filhos, nossos netos. Viva a classe trabalhadora, viva a presidenta Dilma, viva o presidente Lula.”

Fonte: Cutmg

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × um =